URBANISMO E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Postado por e arquivado em DISTRITOS, PILAR.

A Vila do Pilar foi projetada com uma planta cadastral bem elaborada, com amplas ruas e avenidas e com previsão para novos arruamentos. Seu perímetro urbano foi delimitado em 1988, através de projeto de lei 074, aprovado pela Câmara Municipal, originado do Executivo.

Grande parte da área urbana recebeu o benefício do asfalto na década de 1990. O anseio da população é que as demais ruas também sejam beneficiadas.

O telefone chegou na metade dos anos 90. Facilitou muito a comunicação e já veio com o DDD. Pilar passou a falar, não só com Patos de Minas, mas com o mundo inteiro.

Em 2007, a CTBC instalou a antena para o celular.

Mesmo com todos os meios de comunicação existentes nos dias de hoje, imprescindível é o serviço dos correios. E ele só chegou com um Posto, instalado no antigo prédio da Escola, em 1997.

A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos realizou contrato com o Conselho de Desenvolvimento Comunitário, representado pelo presidente Dércio da Costa Muniz. Vencido, no ano de 2007, a EBCT fez outro contrato, mas com a Escola “Cônego Getúlio”, onde se instalou o posto.

A primeira ligação rodoviária de Pilar com a cidade de Patos de Minas se deu na década de 1930. Uma jardineira, de Oscar Flausino, fazia o trajeto via Boaçara. A estrada era sofrível e havia muita dificuldade da ligação com aquela área.

Na primeira legislatura, após a Ditadura Vargas, em reunião de 09 de janeiro de 1948, vereadores solicitaram construção de uma estrada em Pilar, tal era a necessidade de uma via de comunicação adequada com aquela região do oeste do município. Na realidade sua ligação maior era com Coromandel. E a Câmara continuava atenta a esse problema, pois, o vereador Juvenal Pereira de Lima, em reunião de 27 de julho de 1967, lamentou que os carros de boi continuassem trafegando nas estradas recuperadas pelo Prefeito, na região de Boaçara e Pilar. Reclamou, inclusive, providências no sentido de se construir uma estrada paralela para os carreiros.

Com a descoberta do fosfato da Rocinha, o prefeito Waldemar Rocha Filho houve por bem, em 1976, construir uma ponte sobre o Rio Paranaíba, na divisa com o município de Lagamar. A partir de então os meios rodoviários tornaram-se mais eficientes. Abriu-se um trecho, 60 km, da BR-352 (Belo Horizonte – Goiânia), de Patos de Minas a Rocinha, logo após a descoberta do fosfato, na década de 1970. Ficou faltando o sonhado asfalto. Tem início no quilômetro 419 da BR-365.

Lugar nenhum, pessoa alguma mais admite  privar-se da televisão. Além da imagem e som que atraem, há também os entretenimentos. São transmissões de jogos de futebol, principalmente, novelas, noticiários e várias outras programações, dia e noite. E ela chegou no pilar por volta dos anos 1970, trazida por José Ribeiro. A imagem era em preto e branco. Foi como se tivesse instalado um cinema no então arraial. Todo mundo queria ver e assistir à sua programação. Hoje, em cada casa há um aparelho, e a cores.

* Fonte e foto: Patos de Minas, Meu Bem Querer, de Oliveira Mello.

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

captcha

Please enter the CAPTCHA text