ORIGEM DA FAMÍLIA BORGES

Postado por e arquivado em HISTÓRIA.

A pessoa mais antiga que se conhece desta linhagem é Rodrigo Anes, que de Portugal passou a França, onde serviu ao rei Felipe Augusto. Tendo vencido com galhardia a batalha de “Bourges”, passou a chamar-se “Cavaleiro de Bourges”, e seus descendentes a se chamarem Borges.

Desde o período de colonização, os Borges se espalharam pelo Brasil, chegando até Patos de Minas. A primeira referência por aqui foi nos tempos do sítio “Os Patos”, entre 1800 e 1820, com a “Pousada dos Borges”. Mais adiante, em 1842, encontramos o sobrenome na ata da primeira eleição na Vila de Patrocínio, onde são citados o alferes Joaquim de Magalhães Borges e o tenente, também Joaquim Magalhães Borges.

Quatorze anos à frente encontramos nova referência ao sobrenome em Patos de Minas, com o registro da presença de Joaquim Borges de Mendonça Jr. e João Martins Borges, como subscritores do pedido para elevação de Santo Antônio de Patos à vila, em 25 de dezembro de 1856.

Aproximadamente em 1860, José Antônio Borges, natural de Formiga, partiu em companhia de amigos, entre eles membros da família Corrêa da Costa, em busca de uma região onde pudessem se estabelecer com seus familiares. Encontrando-se com esta região, retorna a sua cidade natal, convence seus pais e alguns amigos, para que aqui se estabelecessem. A data exata deste fato não possui registro, mas estima-se que a fixação se deu em 1866, e com certeza antes de 1868, pois neste ano, José Antônio já aqui residia e foi nomeado o primeiro tabelião no cartório do primeiro ofício de Patos de Minas. Quanto ao verdadeiro motivo da sua vinda, cabe a indagação: teria José Antônio passado aqui por acaso, ou veio para se encontrar com os primeiros parentes que para cá vieram ou descendentes destes desde os tempos da “Pousada” ou os citados Joaquim Borges e João Martins¹?

A primeira família dos Borges em Patos de Patos vindos de Formiga foi formada pelo casal Antônio Felisberto Borges e Clara Maria de Oliveira, pais de José Antônio Borges. Seus irmãos que vieram: João Antônio Borges, Maria Francisca Corrêa Borges, Antônio Cândido Borges, Joaquim Borges de Oliveira, Francisco Irineu Borges, Luiz Antônio Borges e Bernardino Antônio Borges. As irmãs Maria Clara, Maria Eugênia, Maria Zina e Maria Esméria ficaram em Formiga, não acompanhando a família. Francisco Irineu ficou pouco tempo, retornando para a cidade natal.

“Os Borges” se uniram em matrimônio com senhoritas das famílias que aqui residiam, como Corrêa da Costa, Vaz de Melo, Santana, Caixeta de Queiroz, Pereira Caixeta, Alves Pinto e Antunes Corrêa, criando um relacionamento com a comunidade.

A influência da família foi marcante na cidade de adoção, através de atuação significativa no comércio, na política, na construção civil, na agropecuária e na religião.

José Antônio se destacou como comerciante arrojado no mercado de café. Possuía um grande empório e frequentemente ia ao Rio de Janeiro comprar mercadorias. Foi construtor da primeira pousada.

Na política tivemos a participação de Bernardino Antônio, presidente da Câmara e alcaide de 1881 a 1883. Joaquim foi grande empreendedor na construção civil e fazendeiro, tendo participação ativa no primeiro movimento, em 1892, para a construção da nova Matriz.

Os pioneiros geraram 72 filhos. Esta segunda geração consolidou definitivamente a presença da família em Patos de Minas, unindo-se em matrimônio, tanto com membros das famílias de origem, como das outras aqui residentes.

* 1: Quando se fala da origem da família Borges a referência cai sempre sobre a vinda de José Antônio Borges da cidade de Formiga. Mas, existe uma outra descendência, procedente de Uberaba, cujo ancestral é Gerônimo Luiz Borges Cruvinel, pai de João da Silva Borges, que residia em Patrocínio. Este se uniu à família Pereira Caixeta, pelo casamento com a filha de Ricardo Pereira Caixeta e Silvéria Maria do Carmo, por volta da década de 1840.

* Fonte: Projeto Famílias Tradicionais Patenses, Etapa 1995: Borges & Maciel, do Centro Histórico Cultural. Baseado em texto de José Eduardo Borges Malheiro.

* Foto: Cavallaro.com.br.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

captcha

Please enter the CAPTCHA text